Você é Hygge?

Hygge é um conceito 100% dinamarquês: dizem que ele torna os lares mais quentes e as pessoas mais felizes.

Se perguntarmos a um dinamarquês o que é o Hygge (pronuncia-se hoo-ga), ele poderia responder que é “sentar-se em frente a uma lareira em uma noite fria com um confortável pulôver de lã, uma caneca de vinho quente e fazendo carinho em seu cachorro”.

Ou ainda, comer biscoitos de canela feitos em casa, assistir TV debaixo de um edredon, tomar chá em xícara de porcelana.

Hygge muitas vezes é traduzido como “acolhedor” ou “aconchego”. Mas os entendidos dizem que Hygge é muito mais do que isto: é uma atitude perante a vida que ajudou a Dinamarca a superar a Suíça e a Islândia no ranking global de felicidade.

“Na Dinamarca temos invernos frios e longos”, diz Suzanne Nilsson, professora da Universidade de Morley. “ Isso influencia nas coisas. Mas hygge não está relacionado ao inverno, ainda que o clima não seja tão bom durante grande parte do ano.”

Hygge pode ser família e amigos reunidos para jantar a meia luz. Ou pode ser o tempo que você passa sozinho lendo um bom livro, diz Nilsson. Na decoração, funciona melhor quando não há um espaço vazio grande demais em torno da pessoa ou do grupo, explica. Um sinônimo que ajuda as pessoas a entenderem o significado de hygge é “cozyness”, ou seja, o que é “cozy”, aconchegante.

A ideia é relaxar e se sentir em casa tanto quanto for possível, esquecendo as preocupações da vida. E o conceito hygge está sendo exportado para outros países, principalmente por meio de restaurantes, cafés e bares de temática escandinava. São lugares com espaços íntimos cuja decoração carece de uniformidade e a atenção está concentrada nos alimentos reconfortantes.

Nos EUA, há uma empresa de têxteis e papel de parede chamada Hygge West cujo objetivo principal é canalizar o conceito dinamarquês por meio de desenhos. E também há uma padaria em Los Angeles chamada Hygge, que vende os tradicionais pães e doces dinamarqueses.

O resto do mundo parece estar se dando conta, gradualmente, de algo que os dinamarqueses sabem há gerações: passar um tempo curtindo aconchego com amigos e família, tomando café com bolo ou tomando cerveja, pode ser bom para a alma, afirma Elen Russell, autora do livro The year of living danishly: uncovering the secrets of the world’s happiest country Traduzindo para o portugês, seria “O ano em que vivemos como dinamarqueses: descobrindo os segredos do país mais feliz do mundo”.

Para mim hygge tem a ver com ser bom consigo mesmo, se permitir passar um tempo agradável, não se castigar ou se negar nada.

O adjetivo de hygge é “hyggeligt”, palavra que costuma ser usada como elogio a anfitriões depois de uma noite agradável em suas casas.

Hygge não é um conceito da classe média. Todos estão incluídos. Atitudes simples, como acender uma vela em casa enquanto trabalhamos, pode ser considerada hygge.

Kayleigh Tanner, autora do blog hello hygge diz “ainda que o hygge seja difícil de descrever por ser tão abstrato, começa a ressoar entre muita gente. A origem do termo hygge surgiu pela primeira vez escrita em dinamarquês no século XIX e desde então evoluiu para a ideia cultural que se conhece hoje em dia na Dinamarca”.

Gostaram? Este é nosso primeiro post sobre o jeito hygge de viver, que tem muito a ver com as nossas caseirices! Essa foto por exemplo, é de um chá hygge que nossa querida Juju nos serviu na casa dela, no post Eu quero uma casa no campo Já éramos hygge e nem sabíamos…

Vem muita coisa hygge por aqui! Continuem com gente para saber mais sobre este adorável estilo!!!

Fonte consultada: bbc.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *